Tendência: FOMO, o inquietante e agonizante Medo de Ficar Por Fora

Por Berenice Ring – Coordenadora do curso “Branding: Construção e Gestão de Marcas” do PEC-FGV e diretora da FOX Branding

Você já ouviu falar em FOMO, do inglês “Fear Of Missing Out”? Em português significa “medo de ficar por fora”. Ainda não? Então você realmente está por fora.

FOMO é a forte tendência social que estamos vivendo que nos faz ficar online 24/7, na esperança de não perder informações importantes que os outros já tenham ou de correr o risco de nossos amigos estarem fazendo coisas mais interessantes que nós.

Jovens e adultos de hoje digitam mensagens em seus celulares enquanto dirigem, porque a importância de suas conexões sociais os faz ignorar a importância de sua própria vida. Em restaurantes, casais e amigos trocam conversas reais por virtuais, enquanto navegam no Facebook e checam seu Twitter.

O “medo de ficar por fora” não é uma novidade desta geração, mas o smartphone e as redes sociais se encarregaram de torná-lo uma obsessão.  É ele que faz muitos de nós dormirmos com o celular ligado e termos a sensação aterrorizante de que estamos perdendo algo absolutamente imperdível! Também é o FOMO que traz à tona o espião da vida alheia que há dentro de nós e que se manifesta no Facebook, e é ele que revela o postador compulsivo do Twitter em alguns de nós.

Segundo uma pesquisa recente feita pela JWT, nos EUA 70% da geração chamada “milênio” relatou que se sente ligada a esta tendência, 52% disse que “é fácil se sentir por fora no Facebook” e 43% afirmou que “a mídia social amplificou seu FOMO”.

Num artigo recente publicado no New York Times, Sherry Turkle, professora do MIT, escreveu que as vantagens da introdução das midias sociais são incomensuráveis! “Ver posts de meus amigos espalhados pelo país me faz sentir conectada a eles. Notícias e fotos de passeios de bicicleta, concertos, jantares e noites na cidade apreciados por pessoas de meu círculo social são fontes incalculáveis de informação informal sobre o que devo fazer na cidade.”

Mas existe o lado obscuro.

Esta mesma “fonte de valor incalculável” pode se tornar uma maldição, fomentando a ansiedade e sentimentos de inadequação. Segundo a mesma autora “às vezes você não tem tempo para seus amigos, exceto se eles estiverem online”. E, enquanto passamos por fotos e atualizações de status, o que se instala em nossa mente é o medo do arrependimento, de que tomamos a decisão errada quanto ao uso de nosso tempo, diz Dan Ariely, economista comportamental da Universidade de Duke e autor de “Previsivelmente Irracional”.

Até um app já foi desenvolvido para aliviar nossa angústia resultante desta tendência: o timeRAZOR. Ele promete nunca nos deixar por fora. “Queremos que o timeRAZOR ajude as pessoas a sentirem-se menos pressionadas pelo tempo e mais satisfeitas com sua vida, sem a ansiedade que sentem ao tentar estar sempre por dentro de tudo,” disse o CEO e co-fundador Jeff White.

Graças ao elemento “tempo real”, introduzido pela tecnologia da conexão móvel, são jogadas em nossos feeds de RSS informações de que 50 pessoas estão fazendo isto e outras 43 estão fazendo aquilo e de que ainda 37 outras estão planejando uma atividade diferente. Qual será, então, a melhor decisão para nós em meio a esta sobrecarga de opções? Esta possibilidade instantânea de descobrir tudo o que estamos perdendo agrava ainda mais a ansiedade e o FOMO.

Um estudo publicado este mês no Brasil pela Norton, da Symantec, divulgou que 44% dos internautas brasileiros precisam das redes sociais para manter suas amizades. Revelou ainda que o brasileiro passa 30 horas semanais em média conectado, tempo superior ao do internauta global.

Nos tempos de imediatismo que vivemos, o FOMO continuará a crescer e as marcas não podem ficar de fora desta tendência.  Não é de hoje que as marcas insistem para que os consumidores não “percam” produtos, ofertas e experiências. Mas as marcas podem fazer muito mais que isto!
 
Que tal sua marca se propor a aliviar a ansiedade do consumidor e fazer sua vida mais fácil com esta tendência? Sua marca pode transformar esta dificuldade em algo positivo, certificando seu público de que ele não está perdendo nada de especial! Não entregue apenas “satisfação do cliente”. Tocar nos desejos mais profundos do consumidor pode ser uma forma de entregar a ele “orgulho pela compra”. Outra tática é explicar porque sua oferta é tão maravilhosa quanto qualquer outra que o está induzindo ao FOMO. Criar “confiança” em sua marca já é o maior atalho para a compra. Além disso, confiança na marca tranquiliza o consumidor e diminui sensivelmente sua ansiedade.

Algumas marcas estão surfando na contra-tendência; o “desejo de desacelerar”. No lugar de ajudar consumidores a estar “por dentro de tudo”, estas marcas focam em fazê-lo notar o que é importante na vida, com temas na linha de “curta o momento.”

Não importa qual a estratégia escolhida, o importante é que as marcas sirvam de apoio a seus públicos, entendam suas necessidades e se preocupem em tornar suas vidas mais satisfatórias.

Fonte: FGV Management
Postado em: 3 set 2012 com 1 comentário e 4.140 visitas

Comentários para este post.
Quero comentar »
  • procuro sempre estar por dentro dos acontecimentos , gosto de saber pra poder passar e também aos que sabem me passar , gosto de interagir mas não sou fanática me atualizo mais por meio do facebook .

    Comentário de terezinha alves moreira — 25 de fevereiro de 2014 @ 11:55

Deixe um comentário

Top